Archive | Meio ambiente RSS feed for this section

Itacoatiara desvairada

1 jan

Por Alana Santos


Saindo de Manaus




Rua Principal de Itacoatiara




Orla de Itacoatiara – 31/12/2009




Praça da Catedral

Pedra histórica que deu origem ao nome Itacoatiara (pedra gravada, esculpida, lavrada)

1744 a 1754; cruz com três degraus; palavra “Tropa”. Essa palavra simboliza o período de colonização, pelos portugueses, do Amazonas. Na época, os jesuítas vinham catequizar os índios com a proteção dos soldados (“tropa”).


Estrada

Igrejinha na estrada




Chegando em Manaus

Itacoatiara????

**Pessoal, apreciem a cidade, porque a câmera é do século passado (a culpa nem sempre é do fotógrafo hehe)

A Pedra Histórica deu origem ao nome Itacoatiara (pedra gravada, esculpida, lavrada)

Um belo dia para passear

26 out

Foto-A0110compacta

1 minuto depois …

Foto-A0111compacta

E não se esqueça de usar sapatos confortáveis ...

A aula e a bactéria

25 set

Por  Alana Santos

Aulas inspiram posts! Quem diria! É mais fácil você tirar assunto de  um banco de ônibus do que da carteira de uma faculdade. E olha que o que não falta em cursos de ciências humanas são debates, geralmente sobre os velhos atuais assuntos que existem desde que o homem virou um ser social e passou a agregar valores (fica a dica para quem quiser se sair bem em uma discussão).

debate

E, se você é professor, estimule seus alunos a fazerem textos opinativos. Artigos, crônicas, resenhas e por aí vai. Na terça-feira, nós, do Baricéa Desvairada, tivemos que fazer crônicas sobre algum assunto da atualidade. E é claro que falar sobre bactérias perigosas pareceu ser muito mais interessante que política. Infelizmente nem todos entenderam, então aqui vai um post-devoltaaobaricéa.

tom_cruise

Você tem mais bactérias do que imagina. E o mais incrível: elas ajudam!. Na pele, degradam células mortas, no intestino, transformam resíduos complexos em substâncias simples, e por aí vai. Só que, se uma resolve, de repente, elaborar um Projeto Destruição, você não vai precisar apenas de um travesseiro para enfrentar a fila do SUS, mas de um super antibiótico (um que não tenha usado antes também).

Bom, isso não foi o suficiente para cientista americano Malcom Casadaban, 60, que pesquisava a forma menos agressiva da bactéria da peste bubônica. Ele morreu no dia 13 de setembro, e o Centro Médico da Universidade de Chicago detectou a Yersinia pestis no sangue do pesquisador. E tem mais: em agosto, as autoridades chinesas tiraram Ziketan (cidade remotíssima da China) da quarentena, onde 12 pessoas foram infectadas pela peste.

Sabe o que isso quer dizer? Que se quiserem exterminar a população, basta jogar alguns ratos cheios de pulgas em outros continentes e pronto! E se você estiver infectado, e tossir ou espirrar na cara de alguém, pode causar uma pandemia! Uma hipótese estranhamente semelhante à tão falada Gripe Suína, que surgiu do nada em algum noticiário.

Mas o problema não é a gripe, nem a bactéria da peste bubônica, mas de quem recebe as informações e não as questiona. Por que? Por que? Os “letrados” discutem, discutem e discutem e caem nos mesmos erros, sempre e sempre. Falam sobre os mesmos pontos de vista, têm medo de opiniões ou teorias que estão fora do padrão, etc, etc.

Qual foi a última notícia sobre a gripe suína que você viu na TV?

GRIPE_SUÍNA

(Outra dica: não escreva textos como este, que relaciona peste bubônica, gripe suína, teoria da conspiração e aulas da faculdade. Ninguém vai entender nada)

O Parque desconhecido

20 set

Por Fabíola Abess

Um ano depois, o Parque continua nas mesmas condições…

O jornal Diário do Amazonas publicou uma matéria sobre o Parque Estadual Sumaúma na Editoria de Cidades/ meio ambiente, e o Baricéa sendo da Zona Norte republica a reportagem que foi escrita para uma disciplina de técnica de reportagem há um ano.

Único parque estadual em área urbana do Amazonas

Único parque estadual em área urbana do Amazonas

O Parque Estadual Sumaúma, localizado no Bairro da Cidade Nova é um dos últimos refúgios do Sauim de Coleira, animal ameaçado de extinção. A área de conservação detém uma fauna e flora ricos para uma capital brasileira, que em sua maioria possuem poucas áreas de conservação naturais preservadas. É o único parque Estadual do Amazonas localizado em área urbana.

O grande desafio é fazer que o parque se torne de fato um verdadeiro refúgio de espécies que só existem em mata densa e que sobreviveram em alguns fragmentos de mata nativa.

Criar condições para que o parque possa atender as necessidades da população do entorno e oferecer condições de lazer e infraestrutura para os visitantes é uma das reivindicações dos moradores do Bairro Cidade Nova, já que muitos nunca entraram no Parque ou o desconhecem.

As principais dificuldades encontram-se na gestão de uma área de 51 hectares, que tem dificuldades em ser fiscalizada por apenas dois agentes ambientais, pelo tempo em que foi criado (setembro de 2003), esperava-se que houvesse uma estrutura para receber visitantes.

Estrutura

Há três entradas: a primeira é a oficial, localizada na Avenida Bacuri ao lado do Pac da Cidade Nova, a outra alternativa é entrar por um portão pequeno no alto da Avenida Timbiras, e por último utilizar um portão que fica ao lado do pé de Samaumeira atrás do colégio Sebastiana Braga. A primeira trilha é uma descida média onde passar a nascente do igarapé do mindu, ao lado há uma outra trilha aberta provisoriamente, não há sinalização.

No centro do parque existe um chapéu-de-palha, uma estrutura que funciona como sede administrativa há dois anos. No local há estacionamento, algumas placas com pedidos de preservação, dois banheiros e uma copa pequena, uma pequena estrada leva até a entrada principal do Parque.

Invasão

Construções desrespeitam limites

Construções desrespeitam limites

Edmilson Rodrigues é agente ambiental do parque há quatro anos e fala sobre os problemas com invasões de animais que ultrapassam a cerca de arame farpado ‘’temos um problema com cachorros que invadem o parque’’. Segundo o agente estes animais invadem a área para caçar outros bichos como a Cutia, e acrescenta que é comum a entrada de animais domésticos e usuários de drogas. A estradinha segue por uma pequena ladeira e no meio do caminho há uma área descampada, da qual o barro foi retirado para fazer aterro no bairro.

A cerca de arame farpado não se estende em todo o parque, um problema identificado foi a presença de residências que foram construídas dentro dos limites do parque, com o consentimento da Suhab – Superintendência Estadual de Habitação).

Um dos moradores da Rua 47, onde estão a maioria dos imóveis que desrespeitam os limites do parque disse que adquiriu a casa de terceiros. ‘’Logo que eu comprei, não teve comentário, ele veio depois, fiz uns kitinetes e o Ipaam veio questionar’’.


Desconhecimento

Até a realização da reportagem (05/07/2008), pouco se sabia a respeito do Parque Estadual Sumaúma, uma unidade de conservação de proteção integral, sobre o qual muitos moradores nem imaginavam que existia, e que é possível visitar. Quando um morador era questionado se já tinha ouvido falar na área de proteção, respondiam: ‘’vão descampar e fazer um parque’’, ‘’é para preservar a mata aí dentro, tem um monte de coisas, mas não podemos entrar…’’, ‘’é proibido entrar’’, ‘’é uma área preservada, mas não fazem nada, deveria ter uma trilha lá’’.